Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1861

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Quais são os gemidos dolorosos que vêm repercutir em meu coração e fazer vibrar todas as suas fibras? É a Humanidade que se debate no esforço de rude e penoso trabalho, porque vai dar à luz a Verdade. Acorrei, espíritas, e ponde-vos em volta de seu leito de sofrimento. Que os mais fortes entre vós tenham os membros tensos sob as convulsões da dor, e que os outros esperem o nascimento dessa criança e a recebam nos braços, à entrada da vida. Chega o momento supremo; num último esforço, ele se escapa do seio que o havia concebido, deixando sua mãe por algum tempo abatida na atonia da fraqueza. Contudo, nasceu sadia e robusta e no seu largo peito aspira a vida a plenos pulmões. Vós, que assististes ao seu nascimento, é preciso que a sigais passo a passo na vida. Vede! A alegria de ter gerado deu à sua mãe uma recrudescência de força e coragem e com modulações maternas chama todos os homens a agrupar-se em torno dessa criança abençoada, pois ela pressente que com sua voz retumbante, em alguns anos vai fazer cair os andaimes do espírito de mentira e, verdade imutável como o próprio Deus, reunir pelo Espiritismo todos os homens sob sua bandeira. Mas ele só comprará o triunfo ao preço da luta, porque tem inimigos encarniçados, que conspiram a sua perda. Esses inimigos são o orgulho, o egoísmo, a cupidez, a hipocrisia e o fanatismo, inimigos todo-poderosos que até agora reinaram como senhores e não se deixarão destronar sem resistência. Uns riem de sua fraqueza, mas outros se espantam de sua vinda e pressentem a própria ruína. Eis por que procuram fazê-lo perecer, como outrora Herodes buscou eliminar Jesus no massacre dos inocentes. Esta criança não tem pátria. Ela percorre toda a Terra, procurando o povo que há de ser o primeiro a arvorar a sua bandeira. Esse povo será o mais poderoso entre os povos, pois tal é a vontade de Deus.

MASSILLON

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...