Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1862

Allan Kardec

Voltar ao Menu
A Sociedade Espírita de Paris não podia esquecer os irmãos de Lyon na sua aflição. Desde novembro apressou-se em subscrever 260 francos numa loteria beneficente organizada por vários grupos desta cidade. Mas o Espiritismo não é exclusivo. Para ele todos os homens são irmãos e se devem mútuo apoio, sem acepção de crença. Querendo, pois, dar o seu óbolo à obra comum, abriu na sede da Sociedade, na Rua e passagem Sant’Ana, 59, uma subscrição cujo produto será lançado no caixa da subscrição geral do jornal le Siècle.

Uma carta de Lyon, dirigida ao Sr. Allan Kardec, informa que um espírita anônimo acaba de enviar, diretamente e para tal fim, a soma de 500 francos. Que esse generoso benfeitor, cujo incógnito respeitaremos, receba aqui o agradecimento de todos os membros da Sociedade.

Um Espírito que se dá a conhecer sob o nome característico e gracioso de Cárita, e cuja missão parece ser a de provocar a beneficência em auxílio da desgraça, ditou, a respeito, a epístola que se segue, que nos foi enviada de Lyon. Como nós, os leitores certamente a colocarão no número das mais belas produções de além-túmulo. Possa ela despertar a simpatia de todos os espíritas por seus irmãos sofredores! Todas as comunicações de Cárita são marcadas pelo mesmo cunho de bondade e de simplicidade. Evocada na Sociedade de Paris, disse ter sido Santa Irene, Imperatriz.

Aos espíritas parisienses que mandaram 500 francos para os pobres de Lyon, obrigada!

“Obrigada a vós, cujo coração generoso soube compreender nosso apelo, e que viestes em auxílio aos irmãos infelizes. Obrigada! pois a vossa oferta vai cicatrizar muitas feridas e aliviar muitas dores. Obrigada! pois soubestes adivinhar que esse fruto de ouro que enviastes momentaneamente apaziguará a fome e aquecerá lareiras apagadas há muito tempo.

“Obrigada! sobretudo porque soubestes disfarçar a boa ação sob a capa do anonimato. Mas se ocultastes o generoso pensamento de serdes úteis aos vossos semelhantes, como a violeta que se oculta sob a folhagem, há um juiz, um senhor para o qual vossos corações não têm segredos e que sabe de onde partiu esse orvalho beneficente que veio refrescar mais de uma fronte abrasada, e afastar a miséria tão temida pelas mães de família.

“Deus, que tudo vê, conhece o segredo do anônimo e encarregar-se-á de recompensar os que tiveram a inspiração de socorrer as pobres vítimas de circunstâncias independentes de sua vontade. Deus, meus amigos, gosta desse incenso de vossos corações que, sabendo sentir a dor alheia, também sabe como se pratica a caridade. Ele aprecia, sobretudo, esse devotamento e essa abnegação que se encolhe ante um agradecimento pomposo, preferindo abrigar a sua modéstia sob simples iniciais. Mas ele ligou a todas as bênçãos que o vosso socorro vai atrair, o nome do benfeitor porque, como todos sabeis, esses transportes de alegria experimentados pelos corações socorridos sobem para Deus, e como ele vê que esses eflúvios, partidos da gratidão, são o resultado dos vossos benefícios, anota no grande livro do Espírito generoso que os fez nascer, a recompensa que lhe cabe.

“Se vos fosse dado ouvir estas suaves emoções, estas tímidas notas de simpatia que deixam escapar esses infelizes à vista da pequena moeda, maná celeste que cai em seu pobre tugúrio; se vos fosse dado ouvir os gritos infantis do pequenino ser que não compreende que o pão está assegurado por alguns dias, seríeis muito felizes e diríeis: ‘A caridade é suave e merece ser praticada’. É que, como podeis ver, pouca coisa é necessária para transformar lágrimas em alegria, sobretudo em casa do trabalhador que não está habituado a visitas frequentes da felicidade. Se essa pobre formiga que recolhe migalha a migalha o pão cotidiano encontrar em seu caminho um pão inteiro no momento em que perdia a esperança de dar à família o pão diário, então essa fortuna lhe parece tão incompreensível que, não encontrando expressões para a sua felicidade, deixa escapar algumas palavras soltas, às quais se seguem lágrimas de ternura.

“Socorrei, pois, os pobres, meus amigos, esses operários que não têm como última esperança senão a morte no hospital ou a mendicidade numa esquina.

“Socorrei-os tanto quanto puderdes, para que, quando Deus vos reunir, seguindo a extensa avenida que leva ao grande portal, em cujo frontispício estão gravadas as palavras Amor e Caridade, Deus, reunindo os benfeitores e os beneficiados vos diga a todos: ‘Soubestes dar. Fostes felizes em receber. Vamos, entrai! Que a caridade que vos guiou vos introduza no mundo radioso que reservo aos que têm como divisa: ‘Amai-vos uns aos outros.’”


CÁRITA

OBSERVAÇÃO: A quem farão acreditar que foi o demônio quem ditou tais palavras? Em todo o caso, se for o demônio quem impele à caridade, nada se perde em fazê-la.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...