Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1862

Allan Kardec

Voltar ao Menu
Um belo Espírito, gabando-se de ateu,

Passeava um dia com um rapazinho,

À margem dum regato, cuja margem ensombrada

Os protegia contra os raios do sol.

Vendo fugir a água cristalina,

Diz ao menino o sábio companheiro:

Aonde pensas tu que o curso veloz

Deve conduzi-lo ao deixar este vale?

Ora! Diz ele, certamente um lago sereno

Vai receber o tributo de suas águas;

E no fim da marcha acidentada,

Deste modo terminam todos os riachos.

Pobrezinho! diz a rir o professor,

Como teu espírito se engana!

Aprende agora, aprende, pois,

Como neste mundo tudo é finito.

Quando ele se afasta da sua nascente,

Onde as vagas surgem a cada instante,

É para ir, ao termo de seu curso,

Ao seio do oceano, perdido para sempre.

Assim é ele a nossa própria imagem:

Quando deixamos o mundo sedutor,

Nada mais resta dessa curta passagem

E nós entramos todos no nada.

Ó Deus! diz o menino, com voz desconsolada,

Então isto é verdade?

Tal é nosso destino?

Que! De minha amada mãe

Tudo terei perdido quando ela morrer?

E eu que acreditava que sua alma querida

Podia proteger ainda o seu filhinho,

Com ele partilhar as agruras da vida

E um dia nos unirmos, junto ao Onipotente?

Conserva sempre essa crença,

Diz baixinho o anjo protetor.

Sim, ó querido, guarda bem a esperança,

Sem a qual nesta Terra não há felicidade.

O tempo se escoou.

Muitos anos depois,

Nosso sábio transpôs o largo umbral da morte.

E, como sempre, fiel aos loucos pensamentos,

Morreu dizendo que Deus não existia.

Também o rapazinho atingiu a velhice,

E, sem temor, foi receber a morte,

Pois conservava a fé da juventude,

E nas mãos do Eterno entregou sua sorte.

Vede, vede a multidão devotada

Deixar o Céu e vindo recebê-lo:

Os Espíritos puros são o bando sagrado

Para receber seu irmão exilado.

Mas quem é aquela alma abandonada

Que parece querer de todos se ocultar?

É do sábio infeliz a alma desolada,

Que percebe a ventura sem a poder gozar.

Oh! Que amargo não foi do mestre o sofrimento,

Quando lhe apareceu, em toda a majestade,

Como juiz severo, aquele mesmo Deus,

Que em vida negara em eterno desafio!

Oh! As lágrimas quentes de tanto sofrimento

Vieram rebentar o Espírito orgulhoso!

Ele, que outrora troçava da Esperança

Que o menino buscava para além do sepulcro.

Mas a paternal bondade do Pai Onipotente

Não quis, ó não! puni-lo eternamente.

E em breve essa alma humilde e arrependida,

Uma vez mais à Terra voltará.

Depois, redimida e, enfim, purificada,

Voará para o Céu, feliz e satisfeita.

Irá, inebriada da mais pura alegria,

Repousar aos pés do Onipotente.


Dulcis

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...