Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1863

Allan Kardec

Voltar ao Menu
O Espírito tiptólogo de Carcassonne mantém sua reputação e prova pelos sucessos que alcança nos diversos concursos em que se apresenta como candidato, o incontestável mérito de suas excelentes fábulas e poesias. Depois de haver conquistado o primeiro prêmio, a Eglantina de Ouro, na Academia dos Jogos Florais de Toulouse, acaba de obter uma medalha de bronze no concurso de Nîmes. O Courrier de 1’Aude diz a respeito: “Essa distinção é tanto mais lisonjeira quando o concurso não se restringia a fábulas e poesias, mas abarcava todas as obras literárias.”

Esse novo triunfo certamente pressagia outros para o futuro, pois é provável que esse Espírito não se afaste. Decididamente torna-se um sério concorrente.

Que dirão os incrédulos? O que já disseram quando do sucesso de Toulouse: que o Sr. Jobert é um poeta que tem a fantasia de se esconder sob o manto de umEspírito. Entretanto, aqueles que conhecem o Sr. Jobert sabem que ele não é poeta. Além disto, se ele fosse poeta, o modo de obtenção, pela tiptologia, em presença de testemunhas, afasta qualquer resquício dúvida, a menos que se suponha que ele se oculta, não sob a mesa, mas na mesa.

Seja como for, os fatos desta natureza não deixam de chamar a atenção da gente séria e de apressar o momento em que as relações entre o mundo visível e o invisível serão admitidas como uma das leis da Natureza. Reconhecida essa lei, a Filosofia e a Ciência necessariamente entrarão em nova via.

A Providência, que quer a vitória do Espiritismo, porque o Espiritismo é uma das grandes etapas do progresso humano, emprega diversos meios para fazê-lo penetrar no espírito das massas, meios apropriados aos gostos e às disposições de cada um, considerando-se que aquilo que convence a uns não convence a outros. Aqui são os sucessos acadêmicos de um Espírito poeta; ali são fenômenos tangíveis provocados, ou manifestações espontâneas; além, são efeitos puramente morais; depois, curas que outrora teriam passado por miraculosas e que desafiam a ciência vulgar; produções artísticas por pessoas estranhas às artes. Há os casos de obsessão e de subjugação que, provando a impotência da Ciência nessas espécies de afecções, conduzirão os cientistas a reconhecerem uma ação fora da matéria.

Enfim, teremos necessidade de acrescentar que os adversários da ideia espírita são, nas mãos da Providência, um dos mais poderosos meios de vulgarização? É evidente que sem a repercussão de seus ataques o Espiritismo estaria menos espalhado do que está. Em os convencendo de sua impotência, quis Deus que eles próprios servissem ao seu triunfo. (Ver Revista de junho de 1863).

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...