Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1863

Allan Kardec

Voltar ao Menu
O primeiro período do Espiritismo, caracterizado pelas mesas girantes, foi o da curiosidade. O segundo foi o período filosófico, marcado pelo aparecimento do Livro dos Espíritos. Desde esse momento, o Espiritismo tomou um caráter completamente outro. Foram entrevistos o objetivo e a extensão, bebendo-se a fé e a consolação, e a rapidez de seu progresso foi tal que nenhuma outra doutrina filosófica ou religiosa oferece outro exemplo. Mas, como todas as ideias novas, ele teve adversários tanto mais encarniçados quanto maior era a ideia, porque nenhuma ideia grande pode estabelecer-se sem ferir interesses. É preciso que ela se estabeleça, e as pessoas deslocadas não podem vê-la com bons olhos. Depois, ao lado das pessoas interesseiras estão as que, por sistema e sem motivos precisos, são adversárias natas de tudo quanto é novo.

Nos primeiros anos, muitos duvidaram de sua vitalidade, razão pela qual lhe deram pouca atenção. Mas quando o viram crescer, a despeito de tudo; propagar-se em todas as camadas da Sociedade e em todas as partes do mundo; tomar o seu lugar entre as crenças e tornar-se uma potência, pelo número de seus aderentes, os interessados na manutenção das ideias antigas alarmaram-se seriamente.

Então uma verdadeira cruzada foi dirigida contra ele, dando início ao período da luta, do qual o auto de fé de Barcelona, a 9 de outubro de 1860, foi, de certo modo, o sinal. Até aí ele tinha sido objeto dos sarcasmos da incredulidade, que ri de tudo, sobretudo daquilo que não compreende, mesmo das coisas mais santas, e dos quais nenhuma ideia nova pode escapar. É a sua prova de fogo. Mas os outros não riem: olham-no com cólera, sinal evidente e característico da importância do Espiritismo. A partir desse momento os ataques tomaram um caráter de violência inusitada. Foi dada a palavra de ordem: sermões furibundos, mandamentos, anátemas, excomunhões, perseguições individuais, livros, brochuras, artigos de jornais. Nada foi dispensado, nem mesmo a calúnia.

Estamos, pois, plenamente no período da luta, mas ele não terminou. Vendo a inutilidade dos ataques a céu aberto, vão ensaiar a guerra subterrânea, que se organiza e já começa. Uma calma aparente vai ser sentida, mas é a calma precursora da tempestade; mas também à tempestade sucede a bonança.

Espíritas, não vos inquieteis, porque a saída não é duvidosa. A luta é necessária e o triunfo será mais brilhante. Eu disse e repito: Eu vejo o fim; eu sei quando e como ele será atingido. Se vos falo com tal segurança é que para tanto tenho razões, sobre as quais a prudência manda que me cale, mas conhecê-las-eis um dia. Tudo quanto vos posso dizer é que poderosos auxiliares virão para fechar a boca a mais de um detrator. Entretanto, a luta será viva, e se no conflito houver vítimas de sua fé, que elas se rejubilem, como o faziam os primeiros mártires cristãos, dos quais muitos estão entre vós, para vos encorajar e dar exemplos, e que elas se lembrem destas palavras do Cristo: “Felizes os que sofrem perseguição por amor à justiça, porque deles é o reino dos céus. Sereis felizes quando os homens vos carregarem de maldições e vos perseguirem e falsamente disserem todo mal contra vós por minha causa. Rejubilai-vos, então, e tremei de alegria, pois uma grande recompensa vos está reservada nos céus, porque assim eles perseguiram os profetas que vieram antes de vós.” (Mat. VI: 10-12).

Estas palavras não parecem ter sido ditas para os espíritas de hoje, como para os apóstolos de então? É que as palavras do Cristo têm isto de particular: Elas são para todos os tempos, porque sua missão era tanto para o futuro como para o presente.

A luta determinará uma nova fase do Espiritismo e levará ao quarto período, que será o período religioso. Depois virá o quinto, o período intermediário, consequência natural do precedente e que, mais tarde, receberá sua denominação característica. O sexto e último período será o da renovação social, que abrirá a era do século vinte. Nessa época, todos os obstáculos à nova ordem de coisas desejadas por Deus para a transformação da Terra terão desaparecido. A geração que surge, imbuída das ideias novas, estará em toda a sua força e preparará o caminho da que deve inaugurar a vitória definitiva da união, da paz e da fraternidade entre os homens, confundidos numa mesma crença, pela prática da lei evangélica.

Assim serão confirmadas as palavras do Cristo, pois todas devem ter seu cumprimento, e muitas se cumprem nesta hora, porque os tempos preditos são chegados. Mas é em vão que, tomando a aparência pela realidade, buscareis sinais no céu. Esses sinais estão ao vosso lado e surgem de toda parte.

É notável que as comunicações dos Espíritos tenham tido em cada período um caráter especial: no primeiro eram frívolas e levianas; no segundo eram graves e instrutivas; a partir do terceiro elas pressentiram a luta e suas várias peripécias. A maior parte das que se obtêm hoje nos diversos centros têm por objeto premunir os adeptos contra as manobras de seus adversários. Assim, por toda parte são dadas instruções a esse respeito, como por toda parte é anunciado um resultado idêntico.

A coincidência, sobre esse ponto de vista, como sobre muitos outros, não é um dos fatos menos significativos. A situação se acha completamente resumida nas duas comunicações seguintes, cuja veracidade muitos espíritas já reconheceram.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...