Revista Espírita - Jornal de estudos psicológicos - 1865

Allan Kardec

Voltar ao Menu
NOVO JORNAL ESPÍRITA DE TOULOUSE *

O último mês do ano findo viu nascer um novo órgão do Espiritismo, o que vem corroborar nossas reflexões contidas no artigo acima sobre o estado do Espiritismo em 1864. Conforme seu início e a carta que seu diretor teve a bondade de nos escrever antes de sua publicação, devemos contar com um novo campeão para a defesa dos verdadeiros princípios da doutrina. Queremos falar dos que hoje são sancionados pelo grande controle da concordância. Que ele seja bem-vindo.

Esperando que tenhamos podido julgá-lo por suas obras, diremos que se o ditado Nobreza obriga for verdadeiro, com mais forte razão pode dizer-se que o título obriga. O de Médium evangélico é todo um programa e um belo programa, que impõe grandes obrigações mas que, entretanto, poderia entender-se de duas maneiras. Poderia significar que o jornal ocupar-se-á principalmente de controvérsias religiosas, do ponto de vista dogmático, ou que, compreendendo o objetivo essencial do Espiritismo, que é a moralização, será redigido conforme o espírito evangélico, que é sinônimo de caridade, tolerância e moderação. No primeiro caso não o seguiremos, porque o próprio interesse da doutrina exige uma extrema reserva no desenvolvimento de suas consequências e porque muitas vezes a gente recua por querer ir muito depressa: “Não adianta correr; deve-se partir na hora.” No segundo, estaremos inteiramente com ele. Aliás, eis um resumo de sua profissão de fé, posta no alto do primeiro número:

“O jornal que empreendemos fundar, sob o título de Médium evangélico, tem por objetivo entrar em caminhos novos com os quais o mundo hoje se preocupa, quero dizer, nas vias do Espiritismo. Este jornal nos pareceu necessário em Toulouse, na hora em que os espíritas já são incontáveis entre nós, na hora em que seus numerosos grupos diariamente engrossam muito. Com efeito, a publicidade será um meio de fazer melhor conhecer o resultado do trabalho desses diversos grupos e de torná-los mais úteis à grande causa do progresso moral ao qual nos convidam todos os nossos destinos.

“Contudo, a fim de não flutuar ao sabor dos ventos da doutrina, nesses caminhos ainda difíceis, julgamos dever arvorar um estandarte sob cujos auspícios queremos sincera e resolutamente marchar, certos de que o grande princípio da renovação moral está onde não mais há gregos nem romanos, isto é, judeus, protestantes, católicos, mas uma grande família, unida pelos laços da fraternidade, e tendendo para um objetivo comum, na sua ardente carreira através das solidões misteriosas da vida. Esse estandarte vós o conheceis. Não é a cruz de ouro, filha do orgulho e dos vãos pensamentos dos homens, mas a cruz de madeira, filha do devotamento e do sacrifício, digamo-lo, filha da verdadeira caridade.”

Lamentamos que a falta de espaço nos impeça de citar por inteiro a profissão de fé. Mas sem dúvida teremos ocasião de a ela voltar.


__________________________________________
* O Médium Evangélico saí aos sábados, desde 15 de dezembro. Preço: Toulouse. 8 f. por ano, 4 fr. 50 por semestre. — Departamentos, 9 ir. e 5 ir. — Assinaturas em Toulouse, rue de la Pomme, 34; em Paris, boulevard St. - Germain, 68.

TEXTOS RELACIONADOS

Mostrar itens relacionados
Aguarde, carregando...